Papa Francisco triplica número de visitantes no Vaticano

Depois da eleição do Papa Francisco, o turismo religioso triplicou no Vaticano

Depois da eleição do Papa Francisco, o número de fiéis que visitam o Vaticano triplicou

 

O turismo religioso na Europa passa por um ciclo virtuoso, com grande crescimento no número de pessoas tanto da própria Europa quanto de outros países visitando os Santuários Marianos e os principais destinos religiosos, entre os quais o Vaticano. Uma das principais causas desse crescimento é o Papa Francisco.

Segundo dados divulgados pela Santa Sé, a quantidade de fiéis que visita anualmente o Vaticano mais do que triplicou depois da eleição do Papa Francisco.

Desde março do ano passado, quando o carismático cardeal argentino Jorge Mario Bergoglio foi eleito para suceder o Papa Bento XVI, até o final de dezembro de 2013, um total estimado pelo Vaticano em seis milhões e seiscentos mil fiéis participou de eventos no Vaticano.

 

O turismo religioso cresceu no Vaticano cresceu três vezes desde que o Papa Francisco assumiu a Cátedra de Pedro

O número de visitantes no Vaticano triplicou desde a posse do Papa Francisco

 

Comparação

A título de comparação, durante todo o ano de 2012 apenas dois milhões e trezentos mil pessoas participaram das cerimônias com o seu antecessor no mesmo espaço, segundo dados divulgados pelo Vaticano na semana passada.

Esses números têm como base tanto a quantidade de entradas distribuídas para eventos papais como encontros gerais, encontros privados e missas quanto estimativas sobre a quantidade de pessoas em eventos em que a distribuição de entradas não é necessária, como as catequese semanais todas as quartas-feiras na Praça de São Pedro, chamadas de audiências gerais.

 

Audiências gerais

Segundo a Prefeitura da Casa Pontifícia, apenas nas trinta audiências gerais do Papa Francisco realizadas durante a ano de 2013 foram distribuídos 1.548.500 ingressos, numa média de 51.516 ingressos por audiência.

Nessas audiências, realizadas na Praça de São Pedro, já se tornou tradição que depois da catequese, o Papa Francisco desça para cumprimentar os doentes alojados nas primeiras filas, dedicando um bom tempo para conversar com eles e dar-lhes a sua benção.

 

LEIA TAMBÉM:  Os Santos Missioneiros desconhecidos e o Turismo Jesuítico-Guarani

Crescimento deve continuar

Essa postura acessível, piedosa e simpática do Papa Francisco é um dos motores por trás do crescimento do número de fiéis que visita o Vaticano. Exceto durante celebrações religiosas e cerimônias protocolares, é extremamente raro ver o Papa sem que ele esteja sorridente ou com uma expressão acolhedora.

Além disso, em seus pronunciamento, homilias, catequeses e mensagens, o Papa Francisco tem feito questão de mostrar uma Igreja acolhedora e aberta a todos. Por esses e outros fatores, ele foi escolhido como Homem do Ano pela revista Time, o que certamente ajudou ainda mais a torna-lo mais conhecido e admirado.

Ao mesmo tempo, o turismo religioso deve continuar crescendo no Vaticano em função da cerimônia de canonização dos Papas João Paulo II e João XXIII, que deve atrair centenas de milhares de fiéis de todas as partes do mundo à Praça de São Pedro.

 

Previsão

Esse aumento no número de visitantes ao Vaticano já foi destacado  em artigo publicado pela Viagens de Fé imediamente após a posse do Papa Francisco, no artigo Com turismo religioso em evidência, Roma volta a ser o “centro do mundo”, publicado no dia 15 de março.

Leia alguns trechos :

E com o novo Papa, o turismo religioso deve ganhar grande impulso. Tudo leva a crer que aonde o Papa Francisco for vai atrair multidões. A Jornada Mundial da Juventude, que acontece em Junho deste ano no Rio de Janeiro, com certeza vai mostrar isso.

Além de um vigoroso impulso, o turismo religioso também deve ganhar um novo eixo. Se até agora a Terra Santa era o principal foco das viagens  religiosas em todo mundo, tudo leva a crer que a figura carismática do Papa Francisco vá tornar Roma esse ponto focal.

Isso não significa que a Terra Santa deva ser deixada de lado nem muito menos que não deva ser visitada. Apenas que ela deve perder para a capital romana, mais especificamente para a Cidade do Vaticano, a primazia entre os destinos de turismo religioso católico.

Com isso, é possível prever ainda um grande crescimento no interesse por Assis, terra natal de São Francisco, cujo nome o novo Papa adotou, e pelos destinos religiosos da Italia, como Lanciano e San Giovanni Rotondo e o seu São Pio de Pietrelcina – o Padre Pio – , entre outros.

Os Santuários Marianos europeus também devem ganhar força. Fátima, em Portugal, Lourdes, na França e outros importantes centros de devoção a Maria passsarão a ser mais visitados.

 

LEIA TAMBÉM:  Santa Cruz investe no acolhimento de visitantes

Não deixe de ler também:

Comente esta matéria

O seu endereço de e-mail não será publicado!