Museu de Arte Sacra de São Paulo mostra o custo do progresso e do descaso

Fragmento de coroamento de altar da primitiva Basílica de Nossa Senhora da Conceição Aparecida

Fragmento de coroamento de altar da primitiva Basílica de Nossa Senhora da Conceição Aparecida

 

Pedaços de demolição e objetos de duas coleções revelam em São Paulo  fragmentos sacros históricos que remetem à arte e à arquitetura de igrejas destruídas pelo progresso e pelo descaso.

 

Miniatura do altar lateral da capela do sitio de Santo Antonio, em São RoqueUma das atrações de turismo religioso da cidade, o Museu de Arte Sacra de São Paulo – MAS/SP apresenta no período de 18 de setembro a 20 de novembro de 2016 uma nova exposição, denominada Fragmentos: coleções de Rafael Schunk e Museu de Arte Sacra de São Paulo

A instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo vai apresentar 300 fragmentos oriundos de demolições de catedrais, igrejas e capelas brasileiras.

São objetos valiosos, pedaços de desmanche das construções, pinturas, obras de arte e santos feitos por mestres santeiros reconhecidos.

No início do século modernista, os registros demonstram que a demolição das igrejas coloniais no centro antigo de São Paulo era quase uma rotina, assim como no interior e em estados como Bahia e Rio de Janeiro.

Foram demolidas a Sé, igrejas do Pátio do Colégio, São Pedro dos Clérigos, Misericórdia, além dos conventos Carmelita, Beneditino de Santa Teresa e dos Remédios.

 

Coleção de Arte Sacra de Rafael Schunk

 

Par de anjos barrocos

Mestre Valentim - Fragmento da igreja de São Pedro dos ClérigosFlor de lis -Mestre Valentim - Igreja de São Pedro dos ClérigosConstituída a partir do final dos anos 1990, a Coleção de Arte Sacra de Rafael Schunk enfatiza produções artísticas do período bandeirista a partir do século XVII, desde o surgimento da arte barroca brasileira até suas ramificações na cultura caipira, com permanência de arcaísmos até a modernidade.

São, na maioria, fragmentos oriundos de catedrais do interior de São Paulo, como da antiga catedral de Taubaté, de Pindamonhangaba, da Basílica Velha de Aparecida, de Queluz e de Bananal.

LEIA TAMBÉM:  O Papa Francisco chega hoje ao Brasil em sua primeira viagem internacional

Um dos destaques é o conjunto de 60 azulejos da Osirarte, oficina que desenvolveu trabalhos para inúmeros edifícios públicos, a exemplo do MEC-Rio e representou a tradição da azulejaria brasileira desenvolvida no período moderno.

Os azulejos das coleções do MAS/SP e de Schunk, apresentam esta importante técnica, tão apreciada pelos portugueses.

Imagens religiosas

 

Imagem de Santana MestraOutro destaque são as esculturas em terracota de pequenas dimensões de frei Agostinho de Jesus (1600/ 1661) e os denominados santos paulistinhas.

O acervo de Schunk conserva obras de grandes artistas nacionais do período colonial e imperial, tais como frei Agostinho de Jesus, Mestre de Itu, Mestre do Cabelinho em Xadrez, Mestre Valentim da Fonseca e Silva, José Joaquim da Veiga Valle, Dito Pituba, Dito Luzia e santeiros populares do Vale do Paraíba.

Soma-se a esta rica diversidade um conjunto de tocheiros, mísulas, oratórios e palmas de altar originários do Vale do Paraíba e Tietê.

As obras, de culto coletivo e doméstico, representam a diversidade da arte sacra produzida em terras de bandeirantes, índios e jesuítas. Algumas pinturas de tradição cusquenha enfatizam a ligação e intercâmbio de São Paulo com os castelhanos da América Espanhola.

A presença e reconhecimento de um fragmento advém da nossa maneira cultural de reverenciar o passado e nele encontrar um elo perdido dentro da História, e também nos ajuda a compreender a importância de ruínas”, explica o curador da mostra, Percival Tirapeli.

Em 1943, uma obra prima do Mestre Valentim, a igreja de São Pedro do Clérigos, no Rio de Janeiro, foi destruída para a abertura da avenida Presidente Vargas.

As partes oriundas daquele desmanche são pontos de partidas para a reflexão sobre os fragmentos presentes tanto em coleções particulares como nos acervos de museus.

LEIA TAMBÉM:  Abadia do Mont Saint Michel, uma visita imperdível

Na coleção de Schunk estão a cabeceira de cama e dois anjos. No MAS/SP, ficaram os dois anjos voantes, a Verônica e o entalhe do rosto de Cristo.

O diálogo entre os fragmentos de ambas as coleções proporciona um olhar mais agudo sobre as partes de ornamentos que, desmembrados de sua totalidade, geram novas investigações sobre a técnica, o estilo, o douramento, constituindo assim um documento que é parte integrante de nosso patrimônio sacro”, diz Percival Tirapeli.

 

Serviço

Exposição: Fragmentos: coleções de Rafael Schunk e Museu de Arte Sacra de São Paulo
Curadoria: Percival Tirapeli
Número de obras: 300
Abertura:17 de setembro, sábado, às 11h (às 13h, palestra seguida de bate-papo com o curador Percival Tirapeli sobre a exposição)
Período: 18 de setembro a 20 de novembro de 2016
Local: Museu de Arte Sacra de São Paulo
Endereço: Avenida Tiradentes, 676 – Luz, São Paulo | Metrô Tiradentes
Tel.: (11) 3326.3336 – agendamento de visitas monitoradas
Horário: Terça a domingo, das 9h às 17h
Ingresso: R$ 6,00 (estudantes pagam meia entrada); Grátis aos sábados. Isentos: idosos acima de 60 anos, crianças até 7 anos, professores da rede pública (com identificação) e até 4 acompanhantes

Não deixe de ler também:

Comente esta matéria

O seu endereço de e-mail não será publicado!