Irmã Dulce dos Pobres dá mais destaque ao turismo religioso na Bahia

afresco irmã dulce dos pobres, salvador, bahia

Afresco mostrando Irmã Dulce em meio aos pobres e crianças que ela amou

A beatificação de Irmã Dulce, “o anjo bom da Bahia”, no último dia 22 de maio, já está servindo para que o turismo religioso tenha mais destaque no estado e no Brasil. O Memorial Irmã Dulce, em Salvador, que recebia aproximadamente 35 mil pessoas por ano, já registra um aumento de 70% no volume de visitantes desde o anúncio da beatificação. Neste ano, são esperados 80 mil fiéis.

Além da transmissão do evento ao vivo pelas emissoras católicas de televisão, a cerimônia da beatificação reuniu 70 mil pessoas dde vários estados no Centro de Convenções da Bahia, entre elas a presidente Dilma Roussef e as principais autoridades da Igreja Católica no Brasil, e conseguiu unir esforços e investimentos do governo federal, via Ministério do Turismo, estadual e municipal para implantar melhorias e a estrutura do local. Só o Ministério do Turismo investiu R$5 milhões no projeto de revitalização do Largo de Roma, histórico ponto turístico de Salvador  onde está localizada a Igreja da Imaculada Conceição da Mão de Deus, futuro santuário de Irmã Dulce.

 

Beatificação

Irmã Dulce dos Pobres

Irmã Dulce dos Pobres

A beatificação de Irmã Dulce, nascida em 1914 e batizada como Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, é o penúltimo passo para que a freira baiana se torne santa e se deve ao milagre ocorrido em 2001, quando a servidora pública sergipana Cláudia Cristiane Santos de Araújo, que sofria de uma hemorragia pós-parto, foi curada pelas orações de intercessão a Irmã Dulce, que passa a ser chamada de Bem-aventurada Dulce dos Pobres e passa a ser lembrada pela Igreja no dia 13 de agosto, dia de Santa Rita. Para que seja proclamada santa, é preciso que a Igreja Católica reconheça mais um milagre creditado à religiosa.

LEIA TAMBÉM:  Natal recebe o 2º Fórum Nacional de Turismo Religioso em uma semana

 

Conheça melhor Irmã Dulce

Irmã Dulce morreu em 1992, aos 77 anos, deixando um legado de bondade. A religiosa foi responsável pela fundação das Obras Sociais Irmã Dulce (OSID), organismo que presta assistência à população de baixa renda nas áreas de saúde, assistência social e educação. Seus restos mortais da beata estão depositados na Capela das Relíquias, na Igreja da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, o futuro Santuário de Irmã Dulce, no Largo de Roma. A visitação é diária, das 7h às 18h.

 

Memorial Irmã Dulce
Criado em 1993, o Memorial Irmã Dulce é um espaço que reúne objetos pessoais, fotos, quadros, maquetes e outros elementos que oferecem aos visitantes uma maior percepção da simplicidade vivida por Irmã Dulce, e principalmente da grandiosidade de suas ações. Caminhar por salas onde Irmã Dulce passou, conhecer o quarto (intacto) utilizado por ela no convento, visualizar a cadeira onde ela dormiu por quase 30 anos em promessa, observar as relíquias de sua última transladação (ocorria no segundo semestre de 2010) e principalmente visitar a capela das relíquias onde se encontra o túmulo de Irmã Dulce são alguns dos atrativos oferecidos pela visita.

 

 

[stextbox id=”grey”]

Serviço

Localização: Avenida Bonfim, 161, Roma (ao lado das Obras Sociais Irmã Dulce)

Horário de funcionamento: de Terça a Domingo, das 10:00hs às 17:00hs

Entrada: gratuita

Serviços: possui estacionamento próprio localizado em frente ao Memorial. Faz agendamento de visitas e adaptação do roteiro ao interesse dos visitantes

Telefone: 0800 284 5284

[/stextbox]

 

Não deixe de ler também:

Comente esta matéria

O seu endereço de e-mail não será publicado!